Tão perto e tão longe: os mapas de movimento como representação espacial das barreiras de acesso ao bairro da lagoinha em belo horizonte

  • Janaina Maquiaveli Cardoso University of New York

Resumen

Por meio de mapas de movimento, técnica de pesquisa amplamente utilizada pela antropologia e pela sociologia urbanas norte-americanas, este artigo pretende demonstrar, a partir de investigações de natureza etnográfica, o estrangulamento e o isolamento físico a que vem sendo acometido o bairro da Lagoinha, na cidade de Belo Horizonte, capital do Estado de Minas Gerais/Brasil, em decorrência das barreiras e das obstruções impostas tanto pelo complexo viário de mesmo nome quanto, mais recentemente, pela implantação do sistema de Transporte Rápido por Ônibus (BRT) na Avenida Antônio Carlos. Esperase ainda, por meio de representações cartográficas, apresentar a região da Lagoinha como metonímia da matriz de cidade que o Projeto Nova BH poderá acarretar, obstruindo as passagens entre-bairros e impedindo a interação entre as pessoas em favor de cenários urbanos e interesses pouco afeitos à democracia, ao direito à cidade e ao dinamismo das sociabilidades urbanas que, pelo menos em tese, deveriam ser próprias à vida cotidiana numa grande cidade.

Palabras clave: Sociabilidades urbanas, Nova BH, Lagoinha, mapas de movimento.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Publicado
2015-01-01
Cómo citar
Maquiaveli Cardoso, J. (2015). Tão perto e tão longe: os mapas de movimento como representação espacial das barreiras de acesso ao bairro da lagoinha em belo horizonte. MÓDULO ARQUITECTURA CUC, 14(1), 55-71. Recuperado a partir de https://revistascientificas.cuc.edu.co/moduloarquitecturacuc/article/view/639
Sección
Artículos y Obras